em maio 6, 2021
eBook Sefarditas

5 lugares que mostram que Lisboa é uma cidade moderna

em maio 6, 2021

5 lugares que mostram que Lisboa é uma cidade moderna

Portugal é um país cheio de histórias incríveis. Mas não é só de passado que vivem as terras lusas. Lisboa, uma das principais cidades portuguesas concilia lugares históricos e arquitetura moderna, passado, presente e futuro constroem um todo harmônico. Conheça 5 lugares que mostram que a cidade que inspirou poetas e fadistas consegue se modernizar e encantar moradores e visitantes do mundo todo.

1. Parque das Nações

O Parque das Nações é a parte mais nova de Lisboa. Seu projeto foi concebido a partir do projeto de realização da EXPO 98 e permitiu que a área ganhasse nova infraestrutura.

Localizado na região ribeirinha da cidade, já na fronteira com o concelho de Loures, o Parque das Nações foi concebido a partir de conceitos contemporâneos de urbanização e arquitetura, sempre visando a ligação com o meio ambiente.

Alguns dos projetos que marcam e traduzem esse espírito moderno da região são:

1.1 Pavilhão de Portugal

O Pavilhão de Portugal é um desafio para os olhos. O projeto arquitetônico foi concebido pelo arquiteto português Álvaro Siza Vieira e simula a ideia de uma folha de papel pousada em dois tijolos. O ousado projeto venceu, em 1998, o Prémio Valmor de Arquitetura.

Atualmente o Pavilhão de Portugal se encontra sob a gestão da Universidade de Lisboa. O projeto da universidade é que o espaço sirva como centro de investigação e abrigue atividades de divulgação de ciência, arquitetura e promoção da lusofonia.

1.2 Pavilhão da Utopia/Altice Arena

O projeto do arquiteto português Regino Cruz é mais um edifício criado como parte do projeto da EXPO 98. Desde sua inauguração teve vários nomes: Pavilhão da Utopia, Pavilhão Atlântico, MEO Arena e atualmente é chamado de Altice Arena.

A inspiração no tema da Exposição Mundial de 1998: “Os Oceanos, um Patrimônio para o Futuro”, fica evidente na parte interna do edifício que lembra as antigas naus das grandes navegações.

O Altice Arena é um espaço polivalente que recebe shows, congressos e eventos esportivos. Seu projeto arquitetônico recebeu vários prêmios. O último foi o “Most Innovative Structure Award”, em 2001.

1.3 Telecabine do Parque das Nações

No Brasil o nome é teleférico, em Portugal é chamado telecabine. Parte do projeto da EXPO 98, a Telecabine conta com 40 cabines que percorrem 1230 metros margeando o RioTejo.

Cada cabine comporta oito ocupantes e a estrutura com vidros permite uma vista deslumbrante ao longo da viagem que dura entre 8 e 12 minutos. Do alto se consegue avistar o Pavilhão de Portugal, o Altice Arena, a antiga Torre Vasco da Gama e mesmo a Gare do Oriente.

1.4 Gare do Oriente

A Gare do Oriente é parte integrante do sistema ferroviário e rodoviário de Portugal, sendo ainda um importante ponto do transporte público de Lisboa.

Um dos destaques da Gare do Oriente é a sua bela cobertura de vidro e aço que lembra uma floresta. Seu projeto foi elaborado pelo arquiteto valenciano Santiago Calatrava que venceu o concurso lançado em 1994 pelo governo português.

1.5 Oceanário de Lisboa

O último ponto do Parque das Nações que merece destaque nesse texto é o Oceanário de Lisboa. Também parte da EXPO 98, em 2015 e 2017, o espaço venceu o Traveler’s Choice, do TripAdvisor, de Melhor Oceanário do Mundo.

A principal atração do oceanário é o seu tanque central de água salgada onde coabitam diferentes espécies.

Hoje, o Oceanário de Lisboa abriga cerca de 25000 animais, entre peixes, aves e mamíferos e ao longo dos anos recebeu vários prêmios.

2. Ponte Vasco da Gama

 

Até 2018, a Ponte Vasco da Gama constava no Guinness Book como a maior ponte da Europa, com 17.185 Km de extensão total. A construção que liga Lisboa e Sacavém ao Montijo perdeu a posição para a ponte Crimeia, na Rússia, mas continua a ser a maior da União Europeia.

A obra levou 37 meses e foi concluída em março de 1998. O seu nome foi escolhido em homenagem a Vasco da Gama. Em maio daquele mesmo ano, a chegada do navegador à Índia completou 500 anos.

O fim da construção foi comemorado com uma feijoada que também entrou para o Guinness Book. A mesa de 5050 metros de comprimento montada para servir a feijoada recebeu o título de maior Mesa do Mundo. Cerca de 15.000 pessoas participaram do evento.

A ponte Vasco da Gama é uma construção robusta projetada para suportar rajadas de vento de 250 km/h e para resistir a um terremoto até 4,5 vezes mais forte do que aquele que atingiu Lisboa em 1755.

 3. Jardim Gulbenkian

O Jardim da Gulbenkian é um quarteirão verde no meio de Lisboa. O espaço, que circunda a Fundação Calouste Gulbenkian, foi construído nos anos 60 e é considerado como um “dos jardins mais emblemáticos do movimento moderno em Portugal”.

Além de servir de palco para diversas atividades educativas e culturais da Fundação, o jardim é ainda um espaço frequentado por muitos que buscam um lugar para relaxar e entrar em contato com a natureza.

4. Fundação Champalimaud

O Centro Champalimaud está localizado junto ao encontro do Rio Tejo com o mar, na zona de Belém e é considerado um importante polo de investigação em biomedicina.

A obra tem uma arquitetura contemporânea que combina estética e funcionalidade distribuído em três grandes áreas que ao todo somam 60.000 m2 de área. Mais detalhes da sua arquitetura podem ser conhecidos através do documentário “Into the Unknown“.

 5. MAAT

O Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT) foi inaugurado em 2016 e se tornou um marco na zona ribeirinha de Belém. Segundo a responsável pelo desenho do MAAT, a arquiteta Amanda Levete, o objetivo era projetar uma construção que se integrasse à paisagem.

Com linhas orgânicas, um ponto alto do edifício é sua cobertura. Ela se integra com as áreas comuns à volta do museu e pode ser usada como ponto de observação do Tejo ou mesmo com um anfiteatro, graças ao seu desenho e degraus.

Nesse texto apresentamos alguns dos muitos pontos que fazem de Lisboa uma cidade que celebra o passado e que mira o futuro. E a exemplo de sua principal cidade, Portugal também cresceu, se modernizou e cada vez mais tem se tornado um polo de desenvolvimento científico e tecnológico na Europa.